Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.

A carência de ferro prejudica milhões de vidas em África - não é altura de acabar com isso?

Por Rémy Ejel, Chefe do Departamento de Mercado da Nestlé CWAR Ltd
A carência de ferro prejudica milhões de vidas em África – não é altura de acabar com isso?

Read In English

Lu en français

Ferro, um nutriente principal no desenvolvimento do cérebro das crianças, ajudando também aos adultos a terem uma vida satisfatória, encontra-se frequentemente em falta na dieta das pessoas

Existe um provérbio africano que diz: “ A sua comida é suposto ser o seu remédio, assim como este deve ser a sua comida .”

No entanto, milhões de pessoas neste continente não estão a desfrutar da vida ao máximo porque a comida no qual comem não fornece nutrientes necessários para o cérebro e corpo.

O assunto este ano é Dia Mundial da Alimentação ( bit.ly/ZFZsmI ) – Dietas Saudáveis para a Fome Zero – chama a atenção a todos que começam a pensar no que comemos.

Viva mais com ferro

Ferro, um nutriente principal no desenvolvimento do cérebro das crianças, ajudando também aos adultos a terem uma vida satisfatória, encontra-se frequentemente em falta na dieta das pessoas.

A carência de ferro é uma das carências mais frequentes do mundo. Jovens, raparigas adolescentes, e as grávidas são aquelas que sofrem mais. Incapacita dos seus organismos, reduz a capacidade de apresentar e de trabalhar para viver de forma satisfatória; assim como outras formas graves – anemia – faz com que as mulheres morrem de parto.

Mas por que razão devemos dar importância? Porque a carência do ferro abranda o crescimento sustentável e económico de África.

Sabia que a carência de ferro poderá prejudicar a si ou à sua família?

Cansaço, fadiga,palidez e dificuldade de respiração são todos os sintomas associados à carência de ferro, normalmente conhecida como anemia.

Mas, a realidade é que a maior parte das pessoas da África Central e Ocidental não relaciona estes sintomas com a falta de ferro, sendo que não possuem a consciência das consequências nas suas vdas ou familiares.

No Gana, por exemplo, uma em cada cinco crianças com menos de cinco anos, possuem carência de ferro. Na Costa do Marfim ( bit.ly/2MGXVaC ), a carência de ferro (anemia) afeta 80% das crianças em idade pré-escolar, assim como 50% das crianças em idade escolar e mulheres .

Com a carência de ferro sendo a causa de metade dos casos de anemia, mais de 75% dos jovens desfavorecidos com menos de cinco anos são anémicos na Serra Leoa, Mali, Nigéria, Burkina Faso e Gâmbia, de acordo com o Banco Mundial em 2016.

A carência de ferro não é apenas evitável; as suas soluções são baratas e eficazes

A carência de ferro não precisa de ser uma doença a longo prazo. Podemos parar com essa fome escondida que enfraquece a vida de milhões. As soluções estão ao nosso alcance e cabe a nós resolver e evitá-las.

Existem mais pessoas que precisam de saber sobre a carência de ferro

As pessoas na África Central e Ocidental precisam de conhecer os sintomas e as graves consequências a longo prazo da falta de ferro. As empresas alimentícias e a sociedade civil precisam de se reunir com as autoridades de saúde para promover os alimentos disponíveis localmente, ricos em ferro e hábitos alimentares equilibrados de forma a maximizar a absorção de ferro no organismo.

Mas por que razão devemos dar importância? Porque a carência do ferro abranda o crescimento sustentável e económico de África

Coma mais alimentos ricos em ferro cultivados localmente

Abastecer a ingestão de ferro é simples e acessível. De folhas verdes a leguminosas escuras, e miudezas a peixe e carnes vermelhas ( bit.ly/2OgPBNQ ), incluindo essas nas suas refeições diárias, podem ajudar a aumentar sua ingestão de ferro. Ao comer estes alimentos ricos em vitamina C ( bit.ly/2Bc5yAC ), tais como limões, laranjas, papaias, tomate e alguns vegetais verdes, aumenta a absorção de ferro no seu corpo.

Fortaleça a sua dieta

Os requisitos de ferro podem ser um desafio, especialmente para as crianças e mulheres jovens.

Por conseguinte, comer alimentos fortificados é uma boa maneira de aumentar a ingestão de ferro e outras vitaminas e minerais que podem estar a faltar na dieta das pessoas de maneira acessível.

Na África Central e Ocidental, a fortificação de alimentos é um pilar fundamental de como a Nestlé melhora a qualidade de vida e contribui para um futuro mais saudável, fornecendo uma nutrição saudável e barata.

Em 2009, começamos a mapear as diferentes carências de micronutrientes na região e identificamos os alimentos e bebidas mais relevantes para fortalecer, a fim de preencher as lacunas na dieta das pessoas.

O caldo Maggi ( bit.ly/2VIYAfV ) foi uma das soluções mais óbvias, dado que são amplamente consumidos por toda a região e a todos os níveis de rendimento. É por isso que criámos os cubos de ferro fortificados Maggi ( bit.ly/2ITPgk5 ), para cada porção ,fornecendo assim 15% da dose diária recomendada de ferro, além dos 30% da dose diária recomendada de iodo. Os cereais infantis Cerelac são outra solução alimentar que fornece muita nutrição para os mais pequenos, enriquecidas com ferro, zinco, iodo e vitamina A e B, juntamente com leite Nido e bebidas Milo .

Existem outras maneiras de enriquecer a dieta das pessoas, que é usar culturas naturalmente biofortificadas, como o milho laranja, rico em vitamina A, cultivado na Nigéria com o apoio do Ministério da Agricultura e do Desenvolvimento Rural da Nigéria, do Instituto Internacional de Agricultura (CIAT) e Colheita Tropical. São colheitas em que todos saem a ganhar: os agricultores podem consumi-lo com as suas famílias e as empresas alimentícias podem incluí-lo nos seus produtos. Até 2020, a Nestlé integrará pelo menos 1.000 toneladas de milho biofortificado ( bit.ly/31jzZj1 ) cereais Golden Morn na Nigéria.

Em 2018, fornecemos 73 bilhões de porções de alimentos fortificados para as famílias da região e garantimos que 100% do portfólio de alimentos das nossas crianças seja aumentado.

A fortificação de alimentos é barata - custa apenas entre 2-5% do custo de matéria-prima, ajudando a aumentar os hábitos alimentares atuais das pessoas e é eficaz na redução de carências.

Outras soluções úteis

Ao tomar o seu café ou chá habitual durante 30 minutos ou mais após uma refeição, pode ajudar, pois essas bebidas contêm ingredientes que limitam a absorção de ferro.

Se estiver preocupado com a sua ingestão de ferro, consulte o seu médico sobre tomar um suplemento de ferro, principalmente se estiver grávida.

Porquê agir agora?

A carência de ferro prejudica o sucesso futuro de milhões de crianças e mulheres africanas. No entanto, é uma problema evitável através de soluções acessíveis e baratas a todos.

Portanto, cabe a todos nós combater a falta de ferro e a anemia utilizando uma abordagem colaborativa.

Isso pode ser tão simples quanto conscientizar sobre os benefícios de uma dieta equilibrada e rica em ferro para as pessoas por via de campanhas interessantes e mensagens relevantes. Por exemplo, nosso objetivo é progredir nessa área, criando uma campanha de conscientização sobre a carência de ferro por três anos no Dia Mundial da Alimentação por toda a região, juntamente com especialistas, personalidades regionais, a campeã de Liderança em Nutrição e a Primeira Dama e África em Gana, Rebecca Akufo-Addo.

Ao trabalharmos juntos, também podemos ajudar a melhorar a saúde e a nutrição das pessoas. Do governo à sociedade civil, aos agricultores e às empresas, esta deve ser a nossa prioridade de tornar as dietas saudáveis ​​e sustentáveis ​​acessíveis e baratas a todos. Temos os meios para torná-lo realidade - vamos agir agora.

Observações: O director-geral da Nestlé CWAR Cluster estará disponível esta semana para fornecer comentários sobre os desafios contínuos que os países africanos estão a enfrentar na luta contra a falta de ferro. Para mais informações ou para marcar uma entrevista, entre em contato com: [email protected]

Article Type