Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.

A Nestlé tem uma parceria com o programa Grown Sustainably em África (IDH), para aumentar o fornecimento local na África Central e Ocidental

A parceria de três anos visa apoiar 25 mil agricultores e 50 pequenas e médias empresas (PME)

Grown_Sustainabl

Read in English

Lire en français

A Nestlé (Nestle.com) assinou um Memorando de Entendimento com a IDH Sustainable Trade Initiative (IDHSustainableTrade.com), como parte do programa Grown Sustainably em África (GSA). 

A parceria de três anos visa apoiar 25 mil agricultores e 50 pequenas e médias empresas (PME), bem como abrir novos mercados para eles na Costa do Marfim, Gana e Nigéria, aumentando o emprego e a segurança alimentar.

A colaboração procura desenvolver e capacitar esses agricultores e PMEs para ajudar a Nestlé a atingir o seu objetivo de aumentar, de 60% para mais de 70% até 2022, as suas matérias-primas de alta qualidade produzidas de forma responsável e regional, utilizadas na produção deMaggi, Milo e Cerelac. Ao melhorar a produção agrícola local, as importações de alimentos para os mercados locais serão reduzidas.

“Em linha com a abordagem Creating Shared Value (bit.ly/3bvSarl) da Nestlé, a nossa nova parceria com a IDH aumentará a capacidade dos agricultores em produzir culturas de alta qualidade que melhorem a oferta local e ajudem a desenvolver as economias locais - tudo isso faz parte do nosso compromisso de melhorar o quotidiano de 30 milhões de pessoas em comunidades diretamente conectadas com as nossas atividades empresariais” (bit.ly/2yvZ6Gu) afirmou Rémy Ejel, Presidente Executivo (CEO) da Nestlé Central and West Africa Ltd

Superando desafios na agricultura local

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o setor agrícola ajuda a apoiar a segurança alimentar e a erradicar a fome (bit.ly/2VT4cEC) na região, contribuindo com cerca de 15% do Produto Interno Bruto (PIB) total. No entanto, com base nas tendências atuais, o o sistema de produção alimentar na África Subsaariana só atingirá 13% da sua procura de alimentos em 2050 (bit.ly/3bzYA9e).

Baixa produtividade significa que a produção agrícola na África Central e Ocidental é apenas 56% da média mundial. A má qualidade e as altas perdas pós-colheita têm impacto na produção de matérias-primas, enquanto a falta de conhecimento, a inadequada infraestrutura e o aumento do desemprego juvenil afetam a oferta sustentável.

A parceria IDH-Nestlé visa enfrentar esses desafios, incentivando agricultores e PMEs a produzir eficientemente culturas de alta qualidade e alto rendimento usando as melhores práticas agrícolas e, por sua vez, ajudando a reduzir o seu impacto ambiental e o consumo de recursos naturais.

Tais esforços destacam a importância do Dia da Terra (bit.ly/3bu9ey7) deste ano, que se concentra na ação climática. Em 2019, a empresa anunciou uma nova ambição de atingir  zero emissões líquidas de GEE (bit.ly/3eGAXgR) até 2050, em consonância com o compromisso climático da ONU. De modo a orientar os seus esforços, a Nestlé identificou várias ações principais: combater a desflorestação, reduzir a perda e o desperdício de alimentos, trabalhar com os agricultores para reduzir as emissões de GEE, desenvolver soluções alternativas de embalamento e ajudar os fornecedores a gerirem os solos através da agricultura regenerativa e da plantação de árvores.

Aumentar os rendimentos dos agricultores e das economias rurais

Como parte do programa GSA, a parceria visa responder aos desafios enfrentados por agricultores e PMEs que não têm acesso a recursos financeiros, técnicos e de gestão a preços acessíveis.

Em linha com as Nestlé’s Responsible Sourcing Guidelines (bit.ly/3cFnPac) e o objetivo da IDH, a colaboração permitirá que os agricultores se tornem fornecedores confiáveis para outras empresas além da Nestlé, aumentem o comércio africano e criem emprego e oportunidades permanentes para jovens e mulheres em toda a região. Por exemplo, a Nestlé já formou mais de 150 mil agricultores, dos quais um terço são mulheres, proporcionando estabilidade financeira e uma maior capacidade de produzir colheitas de alta qualidade rastreáveis.

“Esta parceria ajudará a transformar agricultores e PMEs em operadores sustentáveis a longo prazo e terá um enorme impacto na construção da economia africana, criando empregos e aumentando a segurança alimentar”, afirmou Joost Oorthuizen, Diretor Executivo da IDH Sustainable Trade Initiative.

Esta parceria apoia o objetivo da Nestlé de melhorar a qualidade de vida e contribuir para um futuro mais saudável.

Como funciona o programa

A parceria IDH-Nestlé será desenvolvida em três fases.

A fase inicial definirá a estrutura do projeto, antes da análise para avaliar e identificar agricultores e PMEs, de acordo com o modelo de negócio da Nestlé. Em seguida, a equipa técnica realizará reuniões regulares com cada agricultor e PME e fornecerá suporte a longo prazo para desenvolverem as suas capacidades locais de fornecimento. Assim que as PMEs forem formadas e começarem a fornecer alimentos de qualidade fiável, o Farmfit Fund da IDH ajudará a fornecer-lhes capital circulante acessível para expandirem os seus negócios.

Autoridade Europeia Supervisora (GSA)

O programa IDH Grown in Africa apoia empresas como a Nestlé para aumentar o fornecimento local e incorporar ainda mais agricultores e PMEs locais nas suas cadeias de fornecimento para os mercados africanos e não só.

Sob a égide do programa, a IDH colabora com retalhistas, marcas e compradores para formar parcerias mais amplas de longo prazo, com o objetivo de comercializar e melhorar as operações comerciais de potenciais PMEs e agricultores em África que possam fornecer essas empresas.

Ao contratar localmente, o GSA ajudará a melhorar a sustentabilidade de marcas e fornecedores, tanto do ponto de vista económico como ambiental. Além disso, o GSA ajudará a aumentar o número de PMEs que alcançam viabilidade comercial e constroem negócios sustentáveis que tenham a capacidade de atender outros clientes além de marcas únicas. Através do desenvolvimento das PMEs africanas, serão criados novos empregos que contribuirão para aumentar a segurança alimentar em todo o continente.

Ver o vídeo 

Article Type