A Nestlé para a ajuda humanitária contra a COVID-19 na África | Nestlé

Our response

Nestlé está a apoiar mais de 850 000 pessoas vulneráveis na África Central e Ocidental como parte de um esforço no montante de 3,4 milhões de dólares para ajudar os países da região a combaterem a COVID-19.

Numa altura em que a fome é uma preocupação crescente, a empresa está a doar alimentos e bebidas nutritivas a 170.000 famílias, o que corresponde a 850.000 pessoas na região, nomeadamente em Angola, Burquina Faso, República dos Camarões, Gabão, Mali, Níger e Nigéria.

A Nestlé está também a contribuir com máscaras e outros equipamentos de proteção individual (EPI) para proteger os profissionais de saúde na linha da frente.

A empresa está igualmente a doar equipamento médico a hospitais no Burquina Faso, Costa do Marfim, Gana e Senegal. Além disso, no Burquina Faso, irá doar três ventiladores que serão usados em unidades de cuidados intensivos.

Os esforços para reduzir a transmissão do vírus COVID-19 serão levados a cabo em parceria com a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV).

«Estamos a oferecer todo o nosso apoio às famílias da África Central e Ocidental durante estes tempos difíceis e àqueles que estão a lutar para as manterem em segurança», referiu Rémy Ejel, CEO da Nestlé Central and West Africa Ltd.

«A Nestlé está presente na África Central e Ocidental há mais de 60 anos. Vivemos e atuamos nestas comunidades em toda a região, sempre empenhados em ajudá-las da forma que pudermos», afirmou Ejel.

Contribuir para a melhoria das condições de saneamento

Através da sua parceria com a FICV, a empresa contribuirá com cerca de 420.000 mil dólares para reforçar os programas de Água, Saneamento e Higiene (WASH) no Burquina Faso, na Costa do Marfim, no Gana e no Senegal.

A doação à FICV, que faz parte do esforço total de ajuda humanitária na região, inclui doações em dinheiro e o fornecimento de equipamento médico e outro.

Os dois parceiros procuram limitar a transmissão do vírus através da melhoria das práticas de higiene em áreas públicas, como as estações rodoviárias, e nas comunidades em que as infraestruturas WASH são inexistentes. 

Além disso, unirão forças para sensibilizar as pessoas sobre as medidas de prevenção e a importância de consumir alimentos seguros e nutritivos.

Fornecer uma alimentação acessível e a preços económicos

Na África Central e Ocidental, a Nestlé está empenhada em garantir que as pessoas continuem a ter acesso a alimentos seguros, a preços acessíveis e nutritivos, que permitam alimentar as suas famílias nestes tempos de incerteza.

A produção não parou nas instalações da Nestlé na região, apesar dos desafios enfrentados.

A Nestlé implementou protocolos de higiene reforçados e medidas de segurança adicionais para o pessoal da linha da frente que trabalha nas suas dez fábricas, centros de distribuição e escritórios de vendas.

Foram igualmente distribuídos EPI a fornecedores, distribuidores e retalhistas, incluindo «Mammies» e «Pappies» MAGGI que trabalham em mercados abertos.

«Estamos a fazer tudo o que podemos para garantir que os nossos colaboradores, fornecedores e parceiros continuam saudáveis e seguros. Esta é a nossa prioridade número um», afirmou Ejel. «Estamos muito gratos pelos seus esforços e determinação em continuarem a abastecer as nossas comunidades com alimentos e bebidas, apesar dos desafios».

Nota aos Editores:

A Nestlé tem mais de 5.400 trabalhadores na África Central e Ocidental. A Nestlé está a fornecer computadores e acesso à Internet aos seus funcionários que trabalham a partir de casa. Além disso, está a utilizar uma série de plataformas de comunicação digital para lhes permitir manterem-se constantemente ligados.